Crise atinge Microsoft. Crise? Que Crise?

Standard

Atendendo as expectaivas do mercado, como uma boa empresa deve fazer, aparentemente a Microsoft anunciou que vai demitir 5000 empregados nos próximos 18 meses.

Desde que foi anunciado que o mundo estava em crise e que essa crise havia atingido o setor de tecnologia que blogueiros, jornalistas, boateiros e outros mentirosos esperavam ancisosamente as demissões em massa que deveriam ser praticadas pela Microsoft. Em atendimento as demandas do mercado a Microsoft hoje anuncio a tão esperada demissão em massa.

Se analisamos o gráfico do valor de mercado da empresa em comparação com o índice Nasdaq veremos que o valor da empresa acompanha  pari-passo o índice  de referência, ou vice-versa. Essa simples análise gráfica mostra que, ou a empresa não está passando por nenhum problema e está sendo desvalorizada apenas por que o valor de todas as ações está caíndo ou está empurando o valor do índice para baixo. É claro que sabemos que a análise gráfica não serve como instrumento para avaliação da saúde de empresas e serve apenas como referência da tendência de mercado.

Felizmente temos outros instrumentos de análise para avaliar a saúde da empresa. Recentemente a Microsoft divulgou o balanço do segundo trimestre deste ano fiscal americano que terminou em 31 de Dezembro. Se não vejamos, a empresa divulgou receitas de US$ 16,63 Bilhões contra uma expectativa de US$17,08 Bilhões. Uma quebra nas expectativas de aproximadamente 3%. Caramba! Deus!  uma queda de 3% na expectativa de receita deve estar deixando todos loucos e sem saber o que fazer.

Este balanço é relativo ao último trimestre do ano real, época de festas, quando as vendas são maiores e, apesar disso foi também o primeiro trimestre da crise onde só se falava em redução de vendas e retração do mercado. Bancos quebrando, governos deseperados e as receitas da Microsoft foram só 2% maiores que o mesmo trimestre do ano passado quando o mundo era cor de rosa. Ainda assim, outras contas importantes da empresa (receita  bruta, receita operacional) apresentaram perdas. Muito irônico? Desculpe não consegui me controlar.

Steve Ballmer responds to Guy Kawasaki's questions
photo credit: DBegley

Balmer anunciou as perdas em um press release onde faz uma analise de mercado e prevê que a empresa não será capaz de cumprir sua principal função social: Dar lucro aos acionistas se a volatilidade do mercado continuar o que exigiu essas medidas trágicas.

Esse pobre autor depijama acredita que, se for verdade, estamos vendo mais 5000 vítimas do comportamento irracional que dominou o mercado desde que começou a crise bancária. Essa demissão em massa, segundo as notícias divulgadas, deve proporcionar uma economia de US$1.5 Bilhões por ano. Economia essa que só aparecerá nos balanços no segundo ou terceiro trimestre depois de concluídas as demissões. Sr. Ballmer e o conselho administrativo da Microsoft sabem que as demissões não vão ajudar a Microsoft atingir as expectativas para esse ano fiscal ou no próximo e que se o mercado realmente sofrer uma parada essa solução será pífia.

Irracionalmente, ele e muitos diretores de grandes empresas, lá e aqui, estão tentando mostrar serviço seguindo a cartilha neo-liberal monetarista e tentando segurar os lucros reduzindo desepesas. Reduzir despesas é muito mais fácil e seguro que procurar novos mercados e aumentar a venda. Afinal, ninguém nunca foi demitido por cortar custos. Triste, muito triste.

Demissões são cruéis. Acredito que as pessoas protelem demissões até o último momento. Também acredito que empresas do porte da Microsoft tem a perfeita noção do seu tamanho e de quem é realmente necessário ou não. Junte essas duas crenças e vai entender por que eu creio que as demissões foram provocadas pela crise, mas não pela queda de receitas.  A crise justifica e desculpa, ainda que inconscientemente, o emprego de medidas desesperadas e cruéis.

Sobreviverão as empresas que tiverem muito dinheiro em caixa ou que consigam se isolar desse clima de fim de mundo.

Crise atinge Microsoft. Crise? Que Crise? by

2 thoughts on “Crise atinge Microsoft. Crise? Que Crise?

Deixe uma resposta